13.2.05

Igual a Tudo Na Vida



Na loja de discos de vinil:

Ele - Olha este disco: Cole Porter. Eu estava ouvindo este ontem à noite e pensei em você.
Ela - Estava escutando Cole Porter e pensou em mim? Você deve estar caidinho por mim.
Ele - Devo.
Ela - Eu diria que é fatal.

Eles se beijam

Ele - Eu não acredito que me apaixonei por uma fumante.

Só hoje eu assisti IGUAL A TUDO NA VIDA, de Woody Allen. Se comparado com a filmografia do diretor, não dá pra dizer que é uma obra de arte, mas é muito, mas muito melhor mesmo do que as comédias românticas que andam por aí. Em que outro filme podemos ver Diana Krall cantando IT COULD HAPPEN TO YOU no Village Vanguard como se fosse a coisa mais trivial da face da terra? Os diálogos são brilhantes e Jason Biggs, o retardado de American Pie, até consegue esboçar uma atuação competente. A musa da vez de Allen é Christina Ricci, mas quem rouba a cena é Stockard Channing como a mãe louca que quer montar um piano show de cabaré, com direito a medley de Judy Garland e tudo.

Digamos que este filme é um CLOSER bem humorado, com Billie Holyday na trilha e um final que te deixa bem.


Altamente recomendável para um dia de chuva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário