6.2.05

Solilóquio


O carnaval é a época em que as pessoas recebem o aval da "sociedade" e da Rede Globo para tirar a roupa sem culpas. E o povo abusa do direito. Tudo bem, cada um faz o que bem quiser do seu corpo... Eu mesmo já saí em pêlo num carnaval:



Claro que em 1975, mas já exerci meu direito de mostrar a bunda!


***************************

Falando em mostrar as partes, a noite ontem foi singular. O doendes saíram das tocas, mortos levantaram do túmulo (de vermelho dos pés à cabeça), advogadas vestiram seu bermudão de sarja com mocassim marrom, bêbadas estrábicas soltaram a fera dentro de si e levantou poeera-aa.

***************************

Já na cama, o casal que acabara de se conhecer, sem roupa, conversa:

A- Está tão gostoso conversar contigo que eu nem estou com vontade de transar.
B- É. Já virou amizade. Queres voltar para a função?
A- Não, tá bom. Coloca aquele CD de que me falaste?

...e deitou a cabeça no meu peito, com um sorriso tranquilo.

Ou seja, nem sempre gozar a noite quer dizer transar.

***************************

C- Por que está todo mundo tão empolgado com esta música?
D- Porque foi sucesso o ano todo! É do Skank.
C- Não conhecia.
D- Hahahahahahahahahha! Só tu mesmo, negrinho...

***************************

E para o sol que racha lá fora, o último de Natalie Merchant:




**************************************



Dele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário