8.2.05

Thanks For Everything, Jimmy!



Hoje James Dean estaria fazendo 74 anos. Fez bem em morrer cedo. Assim como Marilyn, ele virou um ícone de todas as gerações posteriores à sua, símbolo de rebeldia, sensibilidade, beleza, o resumo de o que é ser cool. Continuou jovem para sempre, sem precisar de cirurgias plásticas, atividade física, truques de luz e ângulo. Morreu aos 24, bem menos famoso do que é hoje. Será que ele ou Marilyn seriam tão venerados se ainda estivessem vivos? Ou seriam apenas estrelas decadentes, devoradas pelo ostracismo inevitável imposto por Hollywood àqueles que já não tem mais o mesmo vigor na bilheteria? Ganhariam Oscars pelo conjunto da obra, ou fariam propaganda de sopa? Teriam filhos desajustados, sofrendo a pessão de ter um sobrenome famoso? Existiria Madonna como a conhecemos se marilyn ainda fosse viva? Existiria Brad Pitt como o conhecemos se James Dean ainda estivesse vivo?

E para Jimmy, canta Annie Lennox Legend In My Living Room, do cd Live in Central Park/Medusa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário