28.11.05

VA SE OLHAR NO ESPELHO!


Ela sempre foi feia, muito feia. Gorda, muito gorda. Com espinhas, muitas espinhas e levemente estrabica. A personagem principal de A Vida Sexual da Mulher Feia eh escolada em ser feia aos olhos dos outros. Viciada em jujubas e homens que nao prestam (porque sao impotentes, casados ou cafajestes - ou casados cafajestes impotentes), ela nos conta sua historia com um auto-sarcasmo implacavel, que pouquissimos autores permitiriam a seus herois e heroinas.

Claudia Tajes, a autora, a principio tem um texto muito parecido com aquele das redacoes de vestibular que tiram 10, bem escritas na forma, porem sem muito compromisso com a sofisticacao estetica da linguagem. Se voce, como eu, for chato, critico demais e exageradamente opinativo, abstraia. O que vale aqui eh o bom humor. Uma vez tendo se livrado das restricoes, fica divertidissimo ler a mulher feia. Ate porque, ha momentos em que voce se questiona a respeito de quem sejam as verdadeiras feias, na real perspectiva das coisas que importam.

A personagem principal nao eh apenas feia-gorda-cheia-de-espinhas, eh suburbana, pobre e se veste mal. Ela nao escolhe quem vai beija-la, apenas beija quem estiver precisando. Ela nao transa, ela da. Nao seduz, extorque. Nao flerta, insiste.

E ainda assim, a gente ri. Eh a tragedia do vizinho, engracada porque nao aconteceu conosco.

Ontem, enquanto voltava do trabalho, as 3 da manha, carente de algo que me fizesse rir, eu lia a mulher feia e foi impossivel nao lembrar de Carmen, a diarista que trabalhou na casa dos Cafeina na minha infancia. Carmen nasceu com labio leporino e sem ceu da boca, por consequencia era fanha e nao podia comer arroz sem que os graos lhe voltassem pelo nariz. Esta era mulher feia de verdade. Gorda, porem sem bunda, com uma verruga gigante no queixo - cabeluda como todas as verugas de mulher feia devem ser e nariz aquilino descomunal.

Minha mae demitiu Carmen por dois motivos: por nao se entender quase nada do que ela dizia e por conta de uma caixa de Omo Ultra, encontrada em sua bolsa durante a revista surpresa que a senhora Cafeina impunha as funcionarias da casa de quando em quando. Minha vo, cujo esporte preferido era descordar da nora, protestou veementemente contra a demissao da fanha. "Agora me diz, onde tu vais encontrar uma feia que esfregue o chao como a Carmen? Deixa que robe, fazendo o servico eh a conta."



**

Este livro me foi emprestado por Rou, que eh bonita.

***

7 comentários:

  1. Adorei a dica... como PESQUISA deve ser ótimo pois, quero que fique claro, nunca tive problemas com a minha feiura. Quer dizer, nunca TIVE feiura!!!

    ResponderExcluir
  2. mas toda bonita acorda se sentindo feia de vez em quando. e da risada lendo a historinha da claudia tajes.

    :)

    beijo pra ti, lindo.

    ResponderExcluir
  3. Também gostei da dica. Depois de Olivia Joules tava precisando de outro livro pra me fazer rir! ;)

    ResponderExcluir
  4. Noooossa...
    Me senti 'A BUNITA' agora..
    Huhauahua
    Ela tava no Jô esses dias..
    A Tajes, não a fanha ..

    ResponderExcluir
  5. eheh.. mto bom (até a história que a dica.. rs...) está anotado... =D

    ResponderExcluir
  6. Luiza5:46 PM

    Ainda não li, mas dou a dica de outro livro divertido da Claudia Tajes: Dez (quase) Amores.

    ResponderExcluir
  7. claudia tajes5:22 PM

    Pessoal, valeu a força! Adorei o texto Cafeína e juro que sigo tentando me sofisticar na forma. Só que é difícil que dói.
    Beijo da Tajes.

    ResponderExcluir