4.5.06

CERCADO DE LUZ

Nós, seres que se dizem humanos, somos muito descuidados com o que é frágil. A gente caminha na rua e deixa passar, não vê que às vezes, jogada no asfalto, convalesce uma flor que caiu de alguma cesta, de um arranjo, de um bouquet. Ou quem sabe alguém ganhou de um ser amante que não era ser amado e jogou ali para mostrar desprezo. Ou a Clara foi colher uma para dar à mãe e vieram duas. Daí, não dá. Duas não. Joga-se uma fora. Ou a moça, de hora marcada no dentista, não sabia da alergia seríssima do doutor e imediatamente jogou a flor pela janela. Talvez a diarista descuidada, limpando a sacada do sétimo andar, defenestrou a pobrezinha. Quero ver quando a patroa chegar.

E não mais que de repente passa alguém, condolido pela dor do outro (em momentos, tão sua também) e decide colher a margarida jogada no asfalto.

Caio, sempre ele, tão louco, brincando com o significado folclórico das cores, dizia que margarida é sofrimento cercado de paz por todos os lados. Amarelo é desespero e branco é paz. Eu já acho que branco é luz.

Margaridas, boa casa nova!

8 comentários:

  1. Querido amigo,
    obrigado por tudo
    com certeza tens muito luz no teu caminho
    abraços
    rapha

    ResponderExcluir
  2. Querido, o margaridário ficou uma deslumbre. Parabéns. :) Beijocas.

    ResponderExcluir
  3. Margaridas, Gláucias, Bolo e Torta, só falta o Vestinho.

    Ah, querido a Aretha chegou aqui mas só veio 14 segundos, ela nem chega a começar a chorar por causa do transeunte.

    ResponderExcluir
  4. Que moço mais rápido!!!

    ResponderExcluir
  5. O template ficou uma delicadeza. Lindo, lindo. Mas o que tu escreveu sobre o ser humano e o descuidado com o que é fragil, e sobre a margarida, me deixou com vontade de chorar, tamanha sensibilidade.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que achado este blog! Parabéns, adorei mesmo e vou linkar para futuras visitas... Meu blog (meu e da minha companheira blogueira, Ally) foi recentemente reformulado, regozijado e renasceu. Visita lá a gente, nóis vai gostá!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Patricia2:42 PM

    como sempre, delicioso ler o que escreves.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Na falta de palavra melhor, muito ilustrativa sua percepção sobre as cores. Lembrei logo de Quintana (o que mata um jardim é a indiferença) e Drummond (Pára tudo. uma flor nasceu, rompeu o asfalto..).

    ResponderExcluir