29.7.06

Há Amores



Obrigado, Deus

Por ter feito de mim o homem que eu sou, por ter me dado mais amor que cabe no meu coração, pela minha mãe, pelo meu pai, pelos meus irmãos, pelos meus amigos.

Obrigado por me permitir chorar com uma música, um livro, um filme, um gesto.

Obrigado pelo sol e pela lua, os dois hoje em leão.

**

Quando eu morrer, quero o seguinte epitáfio:

Alex, que nunca teve medo de amar.

Não, eu não sou daquelas pessoas que pensam em morte no dia do aniversário. Eu penso em amor, porque eu sei que é a virtude que vai me acompanhar até o fim, seja ele quando for.

Há amores que nascem de uma noite, de fumaça, de música, de desejo. Se vão porque ainda há pessoas que têm medo do dia seguinte, de não ter estrutura para segurar a barra ao deixar o outro entrar em si. Outros, bem poucos, são bravos e te pegam pela mão, rumo ao mergulho.

Há amores que não te levam pra cama e nem precisa. Porque eles vem de mansinho, pelo respeito, no chamego, na carícia, na gentileza e ficam. Eles são fogo que não arde, mas aquece e a gente sabe que, enquanto eles estiverem por perto, não passaremos frio.

Eu sou leão no zodíaco e tigre no horóscopo chinês. Não saio correndo quando me oferecem amor, nem sou de deixar me roubarem o espaço. Eu aperto, beijo, abraço, seguro a mão, afago, passo a mão pelo cabelo, sonho com, a respeito de. Sou sensível, não gosto que me abandonem, brigo, depois não durmo de remorso, vou lá, resgato, me desculpo, abraço, beijo, seguro a mão, aperto, passo a mão pelo cabelo. Mas eu não desisto.

**

O meu primeiro parabéns veio no inicinho da magrugada, depois este me engasgou total e muitos outros virão, eu sei. São amores dos bons que me interessam.

**
Mi beun amor

Hay amores que se esfuman con los años.
Hay amores que su llama sigue viva.
Los inciertos, que son rosa y son espina.
Y hay amores de los buenos, como tú.
Hay amores que se siembran y florecen.
Hay amores que terminan en sequía.
Los que traen desengaños en la vida.
Y hay amores de los buenos, como tú.

Mi amor, mi buen amor, mi delirio.
No pretendas que te olvide así, no más.
Que tu amor fue mar cuando sedienta.
Me arrimé a tu puerto a descansar.
Que tu amor, amor, sólo el que un día
en tu pecho, vida mía, me dio la felicidad.

Hay amores que nos llevan al abismo.
Hay amores que jamás se nos olvidan.
Los que dan toda ternura y fantasía.
Son amores de los buenos, como tú.

Mi amor, mi buen amor, mi delirio.
No pretendas que sea poco mi penar,
que tu amor fue luz de pleno día
cuando todo era oscuridad.
Que tu amor, amor sólo el que un día
en tu pecho, vida mía, me dio la felicidad
en tu pecho, vida mía, me dio la felicidad


Sim, eu sou brega. E o meu inconsciente me mandou ouvir esta música hoje. Gloria pra todo mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário