6.9.06

A Teus Pés


Tá. Não me olhe assim. Porque eu sou um estranho de mim mesmo, como é então que você se acha no direito de me conhecer?
Ok. Eu tenho saudade. Muita. Eu queria mesmo tanta coisa, sabendo que tenho direito a elas assim tão suavemente dizendo no teu ouvido enquanto passo o dedo no lóbulo da tua orelha.
Entendi. Acabaram períodos, mudaram marés das nossas águas tão bruscamente. Muitas embarcações afundaram e acabamos náufragos em praias equidistantes. Perdidos>encontrados>resgatados. Mas não um do outro.
Nem precisa repetir. Vivemos estes anos todos feito barro no sapato. Grudados a nossos pés. Está mais do que na hora de usarmos o capacho de bem-vindo para bem vir um novo amor. Ou quem sabe não. Simplesmente para termos os pés limpos e não sujar a casa de niguém.

Mas, espera. O que eu queria te dizer não era isso. Até esqueci.

Tudo que eu preciso, ar



*Na foto Deadpan, de Steve Mcqueen (não, não é o ator famoso. É um artista desconhecido)

Nenhum comentário:

Postar um comentário