30.1.07

Um avião




Adriana Calcanhotto e Antônio Cícero compuzeram Inverno em 1994, para o cd Fábrica do Poema. Disse a cantora "Fingi para ANTONIO CICERO (durante toda a gravação) que eu compreenderia se ele não conseguisse colocar uma letra na música que eu havia mandado, já que estava concentrado escrevendo seu livro. Fui falsa o tempo todo mas não posso dizer que cheguei a perder a esperança, aliás, gravei uma base instrumental com os músicos e fiquei esperando o dia em que chegaria em casa pisoteando folhas de fax?"

Começa assim: "No dia em que fui mais feliz/eu vi um avião se espelhar no seu olhar até sumir" e eu confesso que uma frase dessas não é para qualquer um, bicho. Este romantismo simples e eficaz, "sem amarras, barco embriagado ao mar" me deixou assim, meio congelado de emoção, acho que por causa do jeito que a gente vive as relações agora. A tendência é ver cada vez menos aviões se espelharem nos olhos amados e conseguir ser mais feliz por uma coisa assim.

É daquelas músicas que a gente sente que foram escritas para nós (não, Luana Piovani), talvez seja este o carimbo de qualidade das canções pop: a identificação imediata. Não sei, confesso, não sei mesmo. Pode ser também que esta coisa de dizer que "o céu reuniu-se à terra um instante por nós dois" faça a gente se sentir tão absurdamente abençoado e único. De novo não sei. Só sei que gosto muito. O jeito de Adriana cantar, de separar as sílabas, impetuosa, forte, mesmo que enfraquecida de sentimento, é bonito demais.

*

Na foto, Palavras ao Vento (Written on the Wind), de Douglas Sirk. Sobre uma mulher ninfomaníaca e um homem impotente. Sei...

29.1.07

Um pouco de brisa


Amigo irmão caminhoneiro, se você tem a sorte de encontrar-se de férias, numa praia deliciosa esta semana, ou quem sabe passará o feriado do dia 2 de fevereiro frente ao mar, esta coletânea é para você. Faixas acústicas, quase todas inéditas, de canções embalantes como o barulho do mar. Não é lounge, viu? É acústico como um luau à beira-mar. E se você, como eu, está refogando da cidade, tentando fugir do calor, também serve para refrescar a cuca.

Só pra sentir o clima, coloquei três delas (em versão lo-fi) para degustação. Basta apertar o play que elas tocam automaticamente.


1. David Bowie - Heroes (6:34)
2. Snow Patrol - Blower's Daughter (3:39)
3. Fuel - Daniel (Elton John Cover) (4:40)
4. Dirty Vegas - Days Go By (2:43)
5. Keane - Everybody's Changing (3:31)
6. Dido - Here With Me (3:51)
7. Madonna - Like a Virgin (live in Paris) (3:30)
8. Pet Shop Boys - Suburbia (live in Brazil) (2:51)
9. Seal - Crazy (4:04)
10. Sheryl Crow - My Favorite Mistake (3:59)
11. Annie Lennox - River Deep Mountain High (live at the Montreux Jazz Festival) (3:44)
12. Texas - sleep (live at Abbey Road)(3:57)
13. The Cardigans - Erase and Rewind (3:41)
14. Erasure - Tenderest Moments (live in London)(5:36)
15. The Killers - Mr. Brightside (3:52)
16. Hole - Malibu (5:49)
17. Fernanda Abreu - Rock With You (3:34)

28.1.07

5 rapidinhas sem tirar



[*]Sabe aquela música do Cazuza que diz "eu queria ter uma bomba, um flit paralizante qualquer"? Pois ontem, voltando para casa pela cidade baixa, ouvi uma moça cantando pela rua "eu queria ser uma bomba, um cinto paralizante qualquer".

[*]Cheguei à conclusão de que a melhor forma de se assistir a uma série de tv é em maratona. A história fica muito mais empolgante. Assim estou fazendo com ROMA, da HBO.

[*]Meu dvd player evangélico está tomado pelo demo, recusa qualquer disco. E agora?

[*]Carência, mil vezes carência. Que ela não me cegue.

[*]A leitora aquela que mandou carta para o correio sentimental, informou via e-mail que já nem pensa mais no ocorrido e resolveu dar atenção a quem gosta dela e liga. Fico feliz, Lara.

*Ilustrando o post, uma revistaria em Leyton, bairro londrino onde eu morava, foto minha.

25.1.07

Eu e Jojô, Jojô e eu




Em Suburbia




Olhem, meus amigos, eu sempre achei Kate Winslet uma chata de galochas, muito devido às suas atuações melosas em coisas como Titanic. Daí, um belo dia assisti a Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças (Eternal Sunshine ... 2004) e pensei "veja bem, na mão de um bom diretor, esta moça funciona." e funciona também neste Pecados Íntimos, marcado para estreiar dia 9 de fevereiro.

O diretor de Entre Quatro Paredes (In The Bedroom, 2001), Todd Field, pega um pouco mais pesado desta vez, ao retratar a hipocrisia e o preconceito de uma forma que não apenas os protagonistas, mas também o espectador se sente envolvido e, sem perceber, acaba fazendo julgamentos precipitados a respeito dos personagens.

O tom sarcástico do filme, especialmente no começo, já vale o ingresso, uma pena que, a certa altura, o ritmo aparenta desandar, mais ou menos nos últimos 45 minutos de projeção. Ainda assim Pecados é um filmão.

24.1.07

Da sarjeta


Estamos todos na sarjeta, mas alguns de nós estão olhando as estrelas.
Oscar Wilde


Tem coisas que passam, mas não passam mesmo assim, entende? A gente carrega uns cancros para o resto da vida, não adianta. Só nos resta assumir que vai ser assim e seguir vivendo, com os surtos cada vez menos agudos, dando tempo ao tempo, buscando apreciar o caminho da areia na ampulheta e se ocupar vivendo mais intensamente o novo porque o velho só conta pelo aprendizado. Claro, adianta um pouco fazer análise, tomar fluoxetina (quando prescrita por um profissional de verdade, por favor), cuidar de si, se sentir bem/bonito/gostoso, ler coisas bonitas e sair da casca. Afinal de contas, olhar para as estrelas é bem melhor.

23.1.07

O Oscar já tem dono




Quando diretores de linguagem visual extrema, como Pedro Almodóvar e Alfred Hitchcock, resolveram valorizar mais a sutileza do que o exagero, produziram suas obras mais sofisticadas, Fale Com Ela e Um Corpo Que Cai. A exemplo dos mestres, Alejandro Gonzalez Iñárritu encontrou a sofisticação do seu cinema em Babel através das sutilezas.

O diretor consegue, ao contar quatro histórias pesadas, costurar o caos em que vivemos, como de costume, carregando na dose de ressentimento na hora de responsabilizar os americanos pelas desgraças do terceiro mundo. Os protagonistas das micro-narrativas, cada um a seu modo, são sobreviventes de perdas irreparáveis que só se preocupam em sobreviver, ainda que a duras custas.

Babel é tecnicamente bonito, a câmera passeia delicadamente, como se fosse um par de olhos curiosos e ternos. A trilha sonora incidental é minimalista, mas sem ser chata ou vazia. E os atores, você vai ver, nunca estiveram tão bem.

Algumas revistas e blogs disseram que Babel era confuso. Não é. Esta é a narrativa mais linear e simples de Iñárritu, levando em conta os filmes anteriores, 21 Gramas e Amores Brutos. O objetivo aqui não é pregar peças no espectador, nem desafiá-lo a questionar sua habilidade de compreensão tempo/espaço, mas sim carregá-lo pela mão a visitar o mundo em que vivemos.

Recebeu 7 indicações ao Oscar deste ano, incluindo filme, roteiro e diretor. Falando em Oscar, a surpresa foi Almodóvar não ser indicado pelo seu Volver, muito embora Penelope Cruz tenha repetido sua indicação à atriz, como aconteceu no Globo de Ouro.

A lista completa das indicações aqui.

22.1.07

Tina, traga-me o machado!

A Mme. aquela completou ontem um rito de passagem importantíssimo: assistiu pela primeira vez a Mamãezinha Querida (Mommie Dearest), o clássico camp sobre a vida de Joan Crawford e sua relação violenta com a filha Christina, estrelado brilhantemente por Faye Dunaway. CABIDES DE ARAME!!! Assista aqui a um petisco.




O grupo francês Air lança, em março, seu novo álbum Pocket Symphony. De uma coolzice que só ouvindo pra saber. Ah, e querendo, aqui tem.

Eles, me parece, voltaram à moda antiga, dos tempos do Moon Safari, com umas faixas instrumentais de arrepiar e texturas musicais climáticas, que mais parecem trilha sonora de algum soft porn dos anos 60.

Recomendadíssimo.

Boa semana!

18.1.07

Correio Sentimental Cafeína

Caro CALEXIco,

Dia desses fiquei com um cara muito legal, foi mágico, trocamos confidências, o sexo foi fenomenal, identificação acima da média. Ao contrário do que eu esperava, ele dormiu comigo, acordamos juntos, almoçamos e trocamos telefone. Me senti muito à vontade com ele, que garantiu que a recíproca era verdadeira e combinamos de nos vermos no mesmo dia à noite, o que não aconteceu. No dia seguinte, mandei uma mensagem pro celular dele, dizendo que adorei tudo. Não houve resposta. Aliás, até hoje não houve resposta a nenhuma mensagem, devo ter mandando umas 3 mais.
Por favor me diga, como um homem pode sumir assim, não responder mensagem, não ligar, não nada? Eu não aguento mais esperar. Será que fiz alguma coisa errada?

"Lara", Cuiabá.

Olha, Lara, em primeiro lugar a gente precisa descartar uma opção: não, você não fez nada de errado. Se você foi autêntica, não fingiu ser nada que não fosse, ficou "à vontade" como você mesma disse, não fez nada de errado. Pode ser que o seu jeito não agrade o moço, mas aí não é problema seu.

Em segundo lugar, a gente precisa lidar com a hipótese de ele realmente não estar a fim de você. Uma probabilidade bem real. Claro, ao que parece, ele te mandou os sinais dizendo exatamente o contrário. Se ele te garantiu que o sentimento de identificação era recíproco, deixou engatado um encontro futuro, fez promessas. Mesmo assim, pode ter sido coisa de momento, quem sabe ele não achou tudo muito rápido? Quem garante que ele não amarelou, achando que você quer namorar assim de súbito? Ele tem todo o direito de amarelar ou de apenas não querer nada com você. Mas, se ele prometeu te ligar ou te encontrar e sumariamente desapareceu, aí o buraco é mais embaixo.

Só que eu acho uma coisa: ao que me parece, você está sofrendo pela espera, por não saber ao certo o que se passa, correto? Ele te deu o telefone dele, não deu? Quem sabe então, já que ele não tem cojones pra te ligar e dizer "não tô a fim" (na verdade, ligar por gentileza, apenas para perguntar como você vai já seria o mínimo de cordialidade), você não liga para ele e conversa a respeito? Na pior das hipóteses ele te dá um fora e eu acho que um fora é melhor do que ficar nessa de "onde foi que eu errei?". Pode ser libertador. Se ele não atender nem retornar a ligação, bem, então ele não é tão bom assim, não é mesmo?

Eu acho muito covarde isso de sumir e deixar as pessoas sem saber o que pensar, mas a falha de caráter não é sua, Lara, é dele. Portanto, amiga leitora, guarde o que você tem de melhor para quem gostar de você.

17.1.07

Ilusão, Dragão, Diana e Diamante

Eu preciso confessar que tenho achado o cinemão americano muito sem graça. Talvez porque os roteiros nada acrescentem no cenário criativo e as atuações não sejam lá estas coisas. Os últimos filmes que assisti desde dezembro tem em comum o fato de serem produções caras e visualmente caprichadas, porém sem muita novidade.


O Ilusionista é o mais interessante destes quatro. Tem uma trama legalzinha, Edward Norton e Paul Giamatti são grandes atores e o visual do filme tem uma identidade estética bem moderna. Só que ele promete uma surpresa no final, mas ela se revela menos surpreendente do que se espera.

Há um certo tom de conto de fadas que não combina bem com a narrativa.





Eragon quer muito ser O Senhor dos Anéis, mas não chega lá. O roteiro é fraco, alguns diálogos chegam a ser risíveis e nem as presenças marcantes de gente como John Malcovich e Jeremy Irons salvam a falta de consistência. É puramente sessão da tarde, por isso mesmo o público infantil deve adorar. A curiosidade fica por conta da participação da cantora Joss Stone como a bruxa cartomante. Ainda assim, é um filminho simpático. Espere, pelo menos, mais duas continuações.





Dreamgirls conta a história não-autorizada de Diana Ross and the Supremes, o primeiro grupo de cantoras a fazer grande sucesso nas paradas americanas. É caprichadíssimo na reconstrução visual da época, diverte um pouco, mas Beyonce é chata de qualquer jeito. A diversão é tentar adivinhar a que personalidade da música cada personagem se refere, já que não foi permitido o uso dos nomes verdadeiros dos cantores e produtores musicais.






Se você já viu Hotel Rwanda, não há necessidade de pagar 10 reais para assistir a Diamante de Sangue. Uma sucessão de cenas de ação muito bem feitas, uma pitada considerável de didatismo político e um tom de denúncia que, infelizmente, não leva o filme a lugar algum. O destaque aqui é o ator africano Djimon Hounsou, cuja presença é muito mais magnética do que a de Leonardo DiCaprio.

16.1.07

Dispersos



E ontem, na entrega dos Globos de Ouro, o melhor filme de drama foi Babel. Bem bom. Agora, premiar Dreamgirls foi demais pra minha cabeça. A Sra. Meryl Streep ganhou (merecidamente) seu milionésimo prêmio de melhor atriz, todos fizeram cara de surpresa.

Dica cafeína, o dvd novo do Depeche Mode, Touring The Angel Live in Milan é uma obra de arte. A maneira com que o diretor sueco Anton Corbijn filmou e editou o show é uma narrativa à parte, coisa rara em dvds ao vivo. Entre as músicas que compõem o setlist, Just Can't Get Enough, Enjoy The Silence, Personal Jesus e outras mais recentes como John The Revelator e Precious.

O vocalista Dave Gahan, sempre muito à vontade no palco, Martin Gore indefectível cantando Home e as projeções emocionantes de sempre. A edição importada do DVD vem com um cd de áudio do show, numa caixa de papelão lindona. Mas calma, calma. Ainda tem o Confessions Tour da Madonna saindo dia 30.


Meu cheiro agora é este, super marcante, daqueles que não chegam nem antes nem depois da gente, sabe? Chega junto e nem parece que é perfume, parece que te espremeram e engarrafaram.

*Às vezes eu acho que não mereço os amigos que tenho.

*Este cd é um achado. Dele você pode ouvir esta música.

12.1.07

Pequenas Igrejas, Grandes Negócios

A NOSSA JONESTOWN

E parece que o povo da igreja Renascer está mesmo mobilizado em função da prisão da Bispa Sônia e do Apóstolo Estevam Hernandes (eu queria muito saber como um reles mortal pode ser apóstolo). Há, no site oficial da igreja, um scrapbook com mensagens de internautas para os líderes chamado "Espada pelo Senhor, pelo Apóstolo, pela Bispa Sonia e pela Renascer". Ainda no site, uma nota oficial a respeito da prisão, que não diz nada com nada e clama "NÃO VIVEMOS DO QUE VEMOS, MAS DO QUE CREMOS". Ou seja, assim como foi com Edir Macedo, o suposto bispo flagrado em câmera chamando os crentes de trouxa(veja o vídeo no YouTube), não há o que se possa dizer a um fiel da igreja Renascer que lhes mude a opinião.

Como todas as outras sedizentes religiões, ela se firma no discurso neurolinguístico para construir a realidade a partir da linguagem, e não o oposto. Se o pastor diz "o céu é verde", centenas de fiéis presentes repetem até acreditarem e enxergarem verde o céu. Com "é tudo calúnia" funciona da mesma forma. "NÃO VIVEMOS DO QUE VEMOS, MAS DO QUE CREMOS".

Ontem, sentado sozinho num café, enquanto fingia folhar uma revista, ouvi a conversa que se desenrolava na mesa ao lado. Eram duas amigas, uma delas contava que perdera a avó havia alguns dias e que, menos de 24 horas após a morte da velha, ela estava arrumando a casa quando telefonou o pastor da igreja para pedir a senha do cartão da falecida. "Como assim??" Esclareceu ele: "é que sua avó doou em vida tudo que tinha no banco, inclusive deixou comigo o cartão".

É claro que a bola da vez, pelos acontecimentos em destaque, é a Renascer, mas não é só esta seita que se vale da fé cega para contabilizar milhões nos bolsos de seus diretores. Há inúmeras outras, pregando absurdos, prometendo converter homossexuais, promovendo cruzadas contra o espiritismo, a umbanda e especialmente a igreja católica. Nos programas de tv, inclusive, um pastor afirmou que a acupuntura faz parte de um "rito satânico milenar", em outro, um suposto ex-travesti contou que encontrava-se possuído por um "exú mulher" e por isso se travestia.

Eu tenho medo disso tudo. Porque a fé cega, irracional, geralmente vem acompanhada da ignorância e, como já diz um provérbio árabe, a ignorância é vizinha da maldade.

11.1.07

Notícia com Som

A Bispa Sônia e marido, da igreja Renascer, são presos pelo FBI ao desembarcarem em Miami com 56 mil dólares não declarados, escondidos, entre outros lugares, atrás da capa da Bíblia. A fiança? 100 mil dólares. Mas 56 mil não é nada perto do que eles faturam às custas da carência dos fiéis. E tem mais, "No Brasil, Sônia e Estevam são acusados de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, evasão de divisas e estelionato. Os crimes envolveriam as doações feitas pelos fiéis e a abertura de "empresas fantasmas"."Fantasma é coisa do Demo! [Vá morar com satanás lá nas grades do inferno]

A japonesa Kaori Mihashi, de 32 anos, foi detida por ter matado o marido que a maltratava, ter cortado seu corpo em pedaços e tê-los espalhado por Tóquio, relatou uma fonte policial. Bem fez ela! [I fall to pieces...]

O pernambucano Alan Pierre, participante do Big Brother, "esqueceu" que estava sendo filmado e tomou banho nu em pêlo na última madrugada. Nos BB da Europa, eles nem cogitam tomar banho de sunga ou bikini. Nós é que somos moralistas mesmo. [Private eyes, they're watching you...]

Roberto Carlos vai processar Paulo Cesar de Araújo, que escreveu Roberto Carlos em Detalhes. Então quem puder, compre logo o seu antes que alguma ação judicial o tire de circulação (está virando moda), porque o livro tem fotos fantásticas e umas fofoquinhas bem boas. Apesar da desaprovação do Rei, o autor se diz grande fã de Roberto e lamenta o ídolo ter recusado todas vezes em que lhe foi solicitada uma entrevista. [Sua estupidez não lhe deixa ver...]

10.1.07

Serviço

Caros leitores,

Procura-se, para comprar, um filhote de West Highland White Terrier. Segundo a procurante, "não precisa ter pedigree, nem nada, pode ser bem bagaceiro, sendo barato é a conta".

Se alguém souber de um canil ou criador nas proximidades da capital gaúcha ou do estado, favor entrar em contato com este blog.

Muito obrigado.

9.1.07

Compilation



Uma coletânea sobre a descoberta do amor, morte, perda, solidão e felicidade, óbvio.

1. Tom Tom Club - Pleasure of Love (6:05)
2. Dionne Warwick feat. Gloria Estefan - Walk On By (2:56)
3. Sergio Mendes feat. John Legend - Please Baby Don't (4:09)
4. Fangoria - No Se Que Me Das (4:16)
5. Janita - Enjoy The Silence (3:54)
6. George Michael feat. Mutya - This is not real love (4:53)
7. Fuel - Daniel (Elton John cover) (4:40)
8. Joseph Arthur - There Is A Light That Never Goes Out (5:45)
9. Goldfrapp - Pilots (On A Star) (3:57)
10. Massive Attack With Tracey Thorn - The Hunter Gets Captured By The Game (4:06)
11. Jorge Drexler feat. Maria Rita - Soledad (3:58)
12. Nick Cave and Kylie Minogue - Where the wild roses grow (3:57)
13. Tracey Thorn - It's all true (4:16)

Baixa aqui.

7.1.07

Janela Indiscreta



O Youtube está fora do ar no Brasil. Obra daquela palhaça que foi transar com o namorado na praia espanhola, para todo mundo ver e, depois de flagrada, filmada, divulgada, resolveu fazer beicinho (no caso dela, beição).

Mas não se avexe, leitor amigo. No fórum da comunidade de aficcionados pelo Youtube no Orkut, encontrarás a solução:

*Se você usa Internet Explorer, vá em FERRAMENTAS> OPÇÕES DA INTERNET> CONEXÕES>

Depois, se a sua conexão for dial-up clique em CONFIGURAÇÕES
Se você usar banda larga clique em CONFIGURAÇÕES DE LAN

SERVIDOR DE PROXY
No espaço endereço digite: 200.65.127.163
No espaço PORTA: 3128

*Para o Firefox, é FERRAMENTAS> OPÇÕES> AVANÇADO> REDE> CONFIGURAÇÕES> CONFIGURAÇÃO MANUAL DE PROXY :
No espaço endereço digite: 200.65.127.163
No espaço PORTA: 3128

Voilá! Express Yourself!

Testado e aprovado em milhares de lares brasileiros.

6.1.07

Um motel, um abismo


A Wicked Game indeed.

"Todos levamos dentro de nós, à espreita, nossa própria possibilidade de perdição, o abismo íntimo no qual podemos despencar; e frequentemente a chave que abre a porta do fatídico poço é a relação sentimental." (Rosa Montero)


Então é isso? A gente precisa cair muito, aprender a levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima só para poder cair de novo? A busca do parceiro amoroso é um levanta-e-cai constante? E se, de tanto cair, a gente cansa de tentar? E se a solidão barulhenta de um clube lotado/ bar animado/café badalado se revela definitiva e insuficiente para a busca? Não interessa. A gente segue buscando, ainda que em segredo, porque a sede da alma humana é esta: a de amar e ser amado.

Ela me chamou outro dia para uma cerveja. Contou-me do então recente ex-namorado que, numa discussão a respeito de algo absurdamente desimportante, lhe cuspiu na cara, depois de chamá-la de vagabunda. Ora, se lhe cospem na cara (e veja bem, não foi figura de linguagem, cuspiu-lhe a cara mesmo), dá-se uma chance a um sedizente homem desses? Ah, mas ela deu. Por que? "Porque eu não aguento mais procurar, não encontrar e ter que dormir sozinha. Que seja com ele então."

O outro, num café, me contou de umas três quase-relações, desenvolvidas no período de um mês desde nosso último expresso duplo. "Ou não me serve, ou tem aliança no dedo, ou não me quer." Ainda tiveram a petulância de dizer ao rapaz: "Sabe, eu tenho um ex-namorado com quem ainda transo, espero que você não se importe". Páft!

Mas, não nos desesperemos. O cenário das relações amorosas, especialmente depois dos (arg) 30, sempre foi árido. Dia desses chove. A gente só precisa saber nadar.

4.1.07

É Tudo Verdade

Tracey Thorn, a voz de "viludo" do Everything But The Girl está de volta em álbum solo. Chama-se Out of The Woods e, ao que tudo indica, será lançado em fevereiro no Reino Unido. Agora preparem-se porque além de tudo que a moçoila faz como ninguém com a voz e a emoção, tem ainda uma cover de King's Cross, do Pet Shop Boys (chega a ser covardia).

O primeiro single, It's All True, já está em alta rotação nas rádios inglesas, os DJs adoraram, os ouvintes pedem mais e vocês ouvem com exclusividade aqui, meus filhos.

Para baixar o single, com a versão original e o remix de Martin Buttrich, aqui. Hit do verão instantâneo.

Na foto, Tracey faz carão - "Sou feia, mas tô na moda". Pra mim, ao menos, sempre esteve.

3.1.07

Maria Antonieta




Sofia Coppolla tem no olhar melancólico, quase adolescente, a sua marca registrada. Suas protagonistas, geralmente jovens mulheres com dificuldade de identificação com o mundo à sua volta, transitam com estranhamento pela narrativa e sutilmente buscam conquistar alguma segurança, um lar, uma razão para ficar ou partir. Assim é o personagem de Kirsten Dunst em Marie Antoinette, que deve estrar no Brasil em março de 2007.

O inesperado aqui, além do olhar intimista sobre cenários grandiloquentes, é a trilha sonora, composta por bandas de rock alternativo dos anos 80 e 90. De New Order a The Cure ou Siouxsie and The Banshees, este deslocamento sonoro/temporal dá uma sensação de modernidade e frescor, num gênero de cinema histórico frequentemente enfadonho.

Visualmente, nas tomadas longas de ângulos ora cômicos, ora melancólicos, o filme lembra um pouco Barry Lyndon, de Stanley Kubrick. Mas a edição ágil em algumas cenas traz o espectador de volta ao seu tempo. E parece que é exatamente o que a diretora desejou fazer: contar uma história do século XVIII, com o olhar essencialmente contemporâneo.

De tirar o chapéu.

*

Da trilha, você pode ouvir Fools Rush In com a banda new wave surgida em 1980 Bow Wow Wow que, graças ao filme, voltou a fazer relativo sucesso nos Estados Unidos.

2.1.07

E a preguiça?

O que é?

*

Jesuis, faz uma temperatura de fritar ovo na barriga em Porto Alegre, beirando os 40 graus. Nada resolve. Acho que vou dar uma de amigo interesseiro e me enfurnar no apartamento da amiga viajante, que tem ar condicionado. Ninguém mandou deixar a chave comigo.

Eu já averiguei, tem sorvete no freezer. Ho ho ho.

*

Passei muito bem o reveióooom, obrigado. E vocês? Beijaram muito?

*

...que preguiça do cão!