7.2.07

Karen Carpenter e Leda Nagle

Uma das vozes mais incríveis da música pop, na minha opinião, é a de Karen Carpenter. Eu lembro muito claramente da primeira vez que a ouvi, num comercial de tv cantando Only Yesterday (naquele natal, eu pedi de presente um disco deles, infelizmente acabei ganhando um do Balão Mágico, que era mais "coisa de criança"). Hoje, depois de ler a respeito do impacto que os Carpenters exerceram numa América sedenta por música pop açucarada, é possível perceber a ironia daquelas interpretações tão sofridas, capazes de ultrapassar toda a babaquice aparente que a dupla representava na época.

Em 1987, o então estudante de cinema Todd Haynes (hoje consagrado pelos longas Velvet Goldmine e Longe do Paraíso), realizou o documentário curta-metragem entitulado Superstar - The Karen Carpenter Story, como trabalho de conclusão de curso. Todas as dramatizações do filme foram feitas com bonecos Barbie e Ken, talvez como um alerta para a idealização da magreza e perfeição estética que se impõe nas crianças desde muito cedo. O que aconteceu foi que Richard Carpenter, o irmão das franjas aloiradas, não gostou nada do resultado e conseguiu cassar os direitos de distribuição do filme. Hoje em dia, Superstar virou peça de colecionador, mas, você sabe muito bem, com a internet não existe mais raridade, tudo se encontra. Aqui no Google vídeo, você assiste ao documentário na íntegra. Menção honrosa para a caracterição das bonecas Barbie, retratando os estágios de degradação da pele da moça pela anorexia. É trashy mas é bom.


**


E não esqueça, se você está ou mora no Rio de Janeiro, tem Denize, a pernambucana bossa-nova, com suas bolsas retrô/vanguarda e seus acessórios necessários em ipanema neste fim de semana.

Pode ir que eu garanto. A moçoila é um primor de dulçura e latinidad e tem coletâneas cafeína exclusivas na manga para embalar a mulherada em desespero, disputando bolsas a cotoveladas.

Portanto, amiga leitora carioca, substitua esta bolsa de palha fedorenta que você tem aí por uma de viludo e tecidos nobres, de estampas ixcrusivas e insinuantes de La Reina Madre. Te asseguro que com estas você não corre o risco de encontrar uma zinha qualquer usando outra igual. Já pensou, que papel?

P.S. Mandem beijo pra Leda Nagle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário