26.2.07

Oscar


Óia, pode ser que tenham resolvido premiar a babaquice de Os Infiltrados, dar um prêmio de consolação para Dreamgirls, os telespectadores da rede de tv aquela terem sido obrigados a aguentar o José Wilker e seus comentários ignorantes, além de começar a transmissão com um atraso de 45 minutos. Mas o mundo não é tão injusto.

Pela TNT, a transmissão tinha a sapiência irônica de Rubens Ewald Filho, mostrou direitinho a entrada das estrelas pelo tapete vermelho e dava para assistir com o som original, sem dublagem.

As escolhas para os Oscar de ator e co-adjuvante foram muito acertadas e Hellen Mirren é mesmo uma rainha. O roteiro de Pequena Miss Sunshine não era lá o melhor de todos, mas não se pode acusá-lo de falta de originalidade. Chegou uma hora em que eu pensei que O Labirinto do Fauno sairia com o maior número de premiações, muito embora tenha decepcionado ao perder o de melhor filme de língua estrangeira. E Milena Canonero, a figurinista de Marie Anotoinette com seu prêmio mercido e o discurso emocionado? Adorei.



Mas a glória mesmo foi ver Melissa Etheridge passando a perna naquelas musiquinhas horrendas de Dreamgirls ao levar para casa o prêmio de melhor canção por I Need to Wake up, de Uma Verdade Incoveniente, aquele de Al Gore, vencedor também de melhor documentário longa. Vocês viram a apresentação das músicas de Dreamgirls? Imaginem-se trancados num cinema com aquelas três gritando como gatas no cio por 2 horas e 15 minutos. Deu pra entender?

Quando eu vi o trio Lucas, Spielberg e Coppola no palco para anunciar melhor diretor e Jack Nicholson (disfarçado de Jaba The Hut) para melhor filme, deu para sentir no ar o cheiro de marmelada. Não tem nada não. Scorsese, fez filmes fantásticos numa galáxia distante e merece um reconhecimento. Por mim, Babel levava os dois. É um filme muito mais pertinente e contemporâneo. Quem vai lembrar de Os Infiltrados daqui a 10 anos?

Neste ano não teve pra ninguém, as mais lindas da noite foram, sem dúvida, Cate Blanchett e Kate Winslet. Tiraram o fôlego não só com a beleza, mas também com a classe. Catherine Deneuve, aos 63 anos, colocou muita americana de 20 no chinelo. E dos homens, Hugh Jackman e Clive Owen, cabeça à cabeça.

Por outro lado, alguém me explica o que era Celine Hedionda cantando para Ennio Morricone?? O velho só olhava com cara de pavor pensando "isso aqui é o Oscar ou o Eurovision?"

Rubens Ewald chamou Penelope Cruz de "passarinha", por causa do seu vestido com saia de penas. Ho ho ho.

Para terminar, eu só quero dizer que Ellen DeGeneres é a comediante mais legal do mundo. E era só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário