6.3.07

Cafeína Classics

12 anos após o fim da segunda guerra mundial, a ex-prisioneira de campo de concentração Lucia, interpretada por Charlotte Rampling, hospeda-se em um hotel onde o porteiro (Dick Bogarte) é, na verdade, o ex oficial da SS que tanto a torturou no passado. Precisa dizer que rola um bundalelê sado-masoquista bem bom aí?

Realizado pela diretora italiana Liliana Cavani, este ensaio sobre os paradoxos S&M causou furor na época de seu lançamento, em 1974, e abriu caminho para outros filmes que têm uma ótica feminina extremamente ousada, tratando assuntos que orbitam bem longe da cozinha ou ambientes familiares.

Nós aqui gostamos muito disso tudo.

Eu lembro muito bem do dia em que O Porteiro da Noite passou pela primeira vez na rede Bandeirantes, "finalmente liberado pela censura". Era uma quinta-feira, tarde da noite e meu irmão dizia, todo feliz, "vai passar um filme pornô na tv hoje!" (não há nada de pornográfico, mas em 1985 a gente ainda confundia pornografia com perversidade sexual). Não vou mentir pra vocês. Não entendi patavinas do filme, só posso dizer que passei a sonhar com botas de couro. Foi só depois de assití-lo já adulto que eu entendi uma coisinha ou duas. A respeito das botas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário