17.5.07

Mais dela



Um Fenômeno de Parapsicologia

Uma vez um episódio me foi contado sucintamente por uma mocinha. Eu lhe pedi então que anotasse o que me dissera, sem fazer literatura nem estilo, apenas como lembrete para mim, pois eu pretendia fazer uma espécie de conto do que ele narrara.

A moça pegou um bloco de papel e sentou-se num canto de minha sala, meio de costas para mim. E eu fiquei sentada, pensando e sentindo, esperando, vendo de través sua mãozinha rápida demais a correr sobre o papel, enquanto eu compunha mentalmente a história que ali mesmo desenvolvi completamente.

Ela parou e disse: - Não sei como continuar.

Então como se eu já tivesse lido o que ela escrevera antes, ditei-lhe a parte mais importante.
Em breve a mocinha disse: - Está pronto, vou ler alto para você porque minha letra não é boa.

Ao ouvir, meus olhos abriram-se em grande surpresa: ali estava a história quase como eu pretendia contá-la e como a forjara enquanto ela escrevia!

Interrompi a moça para lhe dizer:

- Mas você escreveu como eu, com as minhas próprias palavras! A história está por assim dizer pronta! Como é isso?

Ela respondeu:

- Quando estava escrevendo, tinha a impressão nítida de que você estava ditando para mim, e era só eu copiar. Foi tão fácil.

Não pode ter sido o estilo que usou influenciado pelo meu, pois ela confessou que não lera senão algumas páginas minhas e que não aguentara ler mais, tocava-lhe demais o coração. Além de que nosso convívio pessoal era recentíssimo...

O que aconteceu é que a mocinha havia sido meu receptáculo.

Estou contando esse fato verídico sem entendê-lo. O mistério das relações humanas me fascina.

Clarice Lispector
+

Não deixe de visitar o site oficial da autora, recentemente inaugurado pela editora Rocco. Mas separe algumas horas para degustá-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário