10.5.07

Spider-Man 3



Eu sempre esperei dos filmes de super-heróis que me despertassem um mínimo de paixão. Talvez para tentar repetir a sensação da infância ao comprar as revistinhas Marvel, aquela excitação juvenil que a mitologia dos HQs sempre inspira. Eu sempre assisto as adaptações para o cinema e muitas delas me agradam. A trilogia X-Men, por exemplo, tornou-se melhor a cada capítulo, mais bem-acabada e complexa. O mesmo não acontece com O Homem Aranha 3, de Sam Raimi. Me pareceu um filme sem alma. É apelativo demais, artifical e, às vezes, irritante.

A promessa era de que neste terceiro filme acompanharíamos o surgimento de um lado negro nunca antes visto em Peter Parker. Isso exigiria, no entanto, um ator que soubesse expressar alguma cara que não a de pateta, o que dificulta o lado de Tobey Maguire, e um diretor/roteirista mais habilidoso que Sam Raimi. Resulta então num confuso jogo de clichês morais que termina invariavelmente com um tapinha nas costas encorajador. Ah, sim, e muito chororó fake.

A Sony Pictures promete que a série chega ao capítulo 5. Claro, Spider-man é lucro certo, por que não capitalizar? E, de mais a mais, as crianças e adolescentes adoram. Quem sou eu para criticar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário