31.12.07

Polindo as grades

Entrevista concedida pelo médico e dramaturgo Pedro Bloch a Clarice Lispector nos anos 70:

Clarice: Pedro, você me parece expansivo, espontâneo. E, no entanto, voltado para dentro de si, no sentido em que você dá aos outros e pouco pede para si. Como é você de verdade?

Pedro: Fiz, uma vez, uma receita de viver que acho que me revela. Viver é expandir, é iluminar. Viver é derrubar barreiras entre os homens e o mundo. Compreender. Saber que, muitas vezes, nossas jaulas somos nós mesmos, que vivemos polindo as grades em vez de libertar-nos. (...) A gente só é o que faz aos outros.

Que a gente saiba em 2008 dar mais amor de verdade. Não confundi-lo com posse, mágoa, frustração, narcisismo, recalque, pena ou rancor. Que a gente seja para os outros e, consequentemente, para nós mesmos muito, muito melhor. Cuide de si, dos outros e divirta-se celebrando a página em branco que você começa a escrever amanhã.

Feliz Ano Novo!

10 filmes que me arrepiaram em 2007

28.12.07

Compilation



Em agosto de 1992, Madonna estava em estúdio com o produtor Shep Pettibone gravando o álbum Erotica. Restava apenas uma canção a terminar, Goodbye to Innocence, com a qual a cantora não estava nem um pouco satisfeita e pediu a Pettibone que bolasse um novo arranjo. Ele assim o fez e mostrou a ela na manhã seguinte. Na hora de colocar os vocais, Madonna, contagiada pela nova batida começou a entoar Fever, assim meio de brincadeira. O resultado ficou tão bom que Goodbye to Innocence acabou descartada do CD para dar lugar a Fever. Foram produzidas várias versões diferentes, das quais destacam-se a versão do álbum e esta apelidada de Edit One, a favorita de Madonna, utilizada tanto no vídeo original quanto na turnê Girlie Show. Assim como o fez com a rainha do pop, Fever seduziu vários intérpretes ao longo dos anos. Alguns deles, como a cubana La Lupe, levaram na brincadeira, outros transformam em um hino de sedução, como Elvis Presley.

Certa feita, num café de Porto Alegre, o Rodrigo sugeriu que eu fizesse uma coletânea só de Fever. Aceitei o desafio e depois de ouvir dezenas de versões, selecionei para vocês as 13 mais legais. Atentem para a Fiebre do espanhol Miguel Ríos, o arranjo fabuloso na original de Sarah Vaughan e os remixes deliciosos no final. Achei adequado que a última compilation do ano tivesse esse tom, para entrarmos 2008 com muita febre.

1. Peggy Lee - FEVER (3:19)
2. Sarah Vaughan - FEVER (2:50)
3. La Lupe - FEVER (2:49)
4. Elvis Presley - FEVER (3:34)
5. Norma Benguell - FEVER (2:11)
6. Bette Midler - FEVER (3:38)
7. Michael Bublé - FEVER (3:52)
8. Miguel Rios - FIEBRE (En Directo) (4:09)
9. Ray Charles & Natalie Cole - FEVER (3:30)
10. Daniel Ash - FEVER (4:26)
11. Madonna - FEVER (Edit One) (4:02)
12. Peggy Lee - FEVER (Gabin Remix) (4:03)
13. Sarah Vaughan - FEVER (Adam Freeland Mix) (4:38)

27.12.07

Novo

Não se assuste. Está tudo muito claro, eu sei. Depois de um ano resistindo, decidi que era hora de mudar para o novo Blogger. Esteticamente, ficou mais difícil. Esta nova plataforma permite que se mude muito pouco do visual do blog. O problema é que no sistema antigo havia zero compatibilidade com as categorias de posts. Se você, por exemplo, clicasse em 'compilations', só poderia ver as 20 mais recentes. Agora pode ver todas, 20 por página. Para ver mais, basta clicar no link 'ver postagens mais antigas'. Ao mesmo tempo em que migrar para o novo Blogger nos resolveu esse problema, criou-nos muitos outros. Mas acho que na vida é assim mesmo. Quando eu faço uma escolha, pago o preço dela. Confesso que gostei desta simplicidade que você vê agora. Foi esta a minha grande lição de 2007: simplificar em prol da praticidade, nem que isso aparentemente complique as coisas.

Prometo em breve facilitar os comentários, rever links e tornar esta brancura Rinso respingada de azul mais animada.

26.12.07

O Orfanato



Talvez o filme mais comentado da atual temporada européia, O Orfato (El Orfanato, 2007), produzido por Guillermo del Toro, concorre a 14 categorias dos prêmios Goya e foi um dos indicados pela academia de cinema espanhola para o Oscar de filme estrangeiro. Além disso, foi o maior sucesso de bilheteria naquele país este ano e deve seguir uma brilhante carreira nas salas do mundo todo. Este mistério sobrenatural recicla de forma inteligente e minuciosa elementos do melhor cinema de terror dos últimos 30 anos, com direito a uma aparição genial de Geraldine Chaplin, fazendo um papel muito parecido com o da simpática velhinha de Poltergeist, numa das cenas mais assustadoras do cinema desta década.

A direção ficou por conta do estreiante Juan Antonio Bayona, muito habilidoso em balancear o suspense com a emoção, já que o filme, no rastro de O Sexto Sentido e Os Outros, também tem uma forte carga dramática. Mas com aquele tempero espanhol que a gente tanto gosta.

Para entrar no clima, indico sem erro A Espinha do Diabo (El Espinazo del Diablo, 2001), de Guillermo del Toro, com Marisa Paredes em plena guerra civil espanhola às voltas com um espírito assombrando seu orfanto. Genial.


23.12.07

Ho ho ho


Que este natal sirva de desculpa para você abraçar bem apertado as pessoas que ama.

21.12.07

Compilation


Uma das notícias de destaque da semana foi o show de despedida da dupla de irmãs Sandy & Júnior. Parece que as meninas agora seguirão em carreira solo. Aproveitei, portanto, para homenagear duplas pop inesquecíveis e suas faixas deliciosas, incluido 2 versões de Something Stupid em inglês e outra em português, de Leno e Lílian, ídolos da Jovem Guarda.

1. Frank and Nancy Sinatra - Something Stupid (2:35)
2. Eurythmics - Don't Ask Me Why (4:14)
3. Banderas - This Is Your Life (4:33)
4. Goldfrapp - Satin Chic (3:28)
5. Pet Shop Boys - I'm With Stupid (3:26)
6. Shakespear's Sister - Stay (Andre Betts 12" Mix) (4:28)
7. Swing Out Sister - Breakout (3:43)
8. Robbie Williams & Nicole Kidman - Something Stupid (2:54)
9. The Postal Service - Against All Odds (4:12)
10. Miranda! - Casualidad (5:32)
11. Fangoria - Si Lo Sabe Dios Que Se Entere El Mundo (3:40)
12. Leno e Lílian - Coisinha Estúpida (2:34)
13. Pimpinela - Olvidame y Pega la Vuelta (Reggaetton mix) (3:25)

19.12.07

Q&A

Eu detesto e-mail em massa, scrap em massa, sms em massa, qualquer coisa de massa (menos de comer). Mas recebi outro dia desses um que consistia em perguntas e respostas a respeito de dúvidas sexuais de principiantes e possíveis (e óbvias) soluções. Como de costume, o e-mail é interminável, mas 2 itens se destacaram:

*Terminei com meu ex porque ele é muito galinha e agora estou com outro. Mas ainda gosto do ex e às vezes ainda fico com ele! O que devo fazer?

R: Quem é mesmo galinha nesta história?

*Sou feia, pobre e chata. O que devo fazer para alguém gostar de mim?

R: Ficar bonita, rica e ser legal. Obviamente.

18.12.07

Mãos de Fada



O argumento de Irina Palm (2007) é no mínimo criativo. Marianne Faithfull é Maggie, uma inglesa aposentada das mais pacatas que, para ajudar a pagar o tratamento médico do neto, encontra emprego em um bordel do SoHo. Não vou revelar o que ela faz lá, mas posso dizer que sob o pseudônimo de Irina Palm vira um grande sucesso entre os clientes.

Este filme é uma daquelas fábulas que retratam personagens forçados pela necessidade a sair da mediocridade. A performance de Marianne Faithfull é surpreendente, muito embora ela esteja amparada por um elenco coadjuvante irrepreensível também. Mais um pequeno filme com grandes resultados.

E para quem não tem idade pra saber quem é Marianne Faithfull, favor pesquisar.

Bebedeira

...eu só lembro de, lá pela 1 da manhã, me pegar dizendo:

- Ainda bem que a Clarice Lispector não jogava búzios.

17.12.07

Levantamento de peso

O amor não pesa. Se está difícil de você carregar é sinal de que isso aí não é bem amor. Tem outras coisas que às vezes se disfarçam de amor, só que elas mais cedo ou mais tarde acabam pesando. É preciso, então, a gente olhar muito bem olhado, de pertinho e com lupa, pra ter certeza do que nos motiva a entrar numa relação. Que seja sempre o apaixonamento e não a necessidade, a solidão, pressa, fome. E mais ainda, veja que difícil, que o apaixonamento seja saudável e bem leve; porque se for pesado ...

Eu vivo dizendo isso para os meus amigos, porque realmente acredito. Quero ver, quando chegar a hora de me apaixonar, se vou conseguir enxergar um palmo à frente do nariz.

14.12.07

Compilation



Uma coleção de remixes de Stuart Price ou Jacques Lu Cont ou The Thin White Duke ou Les Rythmes Digitales. O homem por trás dos melhores álbuns eletrônicos dos últimos tempos.

1. Mirwais - Miss You (The Thin White Duke mix) (4:24)
2. Seal - Amazing (The Thin White Duke mix) (3:31)
3. The Killers - Mr. Brightside (Jacques Lu Cont Radio Edit) (3:39)
4. Justice - D.A.N.C.E. (Stuart Price Mix) (8:05)
5. Kasabian - Me Plus One (Jacques Lu Cont Remix) (8:34)
6. Madonna - Hollywood (The Thin White Duke mix) (7:07)
7. No Doubt - It's My Life (The Thin White Duke Mix) (6:58)
8. New Order Feat Ana Matronic - Jetstream (Jacques Lu Cont Remix) (8:21)
9. Texas - What About Us (Jacques Lu Cont Radio mix)(4:24)
10. Juliet - Avalon (Jacques Lu Cont Radio mix) (3:29)
11. Les Rythmes Digitales - Jacques Your Body (4:12)

13.12.07

System

System é o novo álbum de Seal e talvez o melhor cd pop do ano. Produzido por Stuart Price, o homem por trás de Confessions on a Dance Floor de Madonna, este trabalho é um daqules discos que a gente escuta do início ao fim balançando a cabeça. Especialmente bom para correr e viajar.

O clip de Amazing, o primeiro single, é tão viciante quando o música.

Links para baixar o cd nestes blogs aqui e aqui.


*Amanhã, uma compilation só de remixes do Stuart Price.

12.12.07

Medo da Sombra



O novo filme de Neil Jordan, Valente (The Brave One, 2007) é um soco no estômago de qualquer americano, especialmente se ele morar em Nova York. Para nós brasileiros, é apenas um filme chocante e muito bem feito. A radialista Erica Bain (Jodie Foster) e seu futuro marido David (Naveen Andrews, o Sahid de Lost) são brutalmente espancados por uma gangue, ocasionando a morte do noivo. Depois de passar 3 semanas em coma, Erica acorda para uma realidade onde já não há mais tranquilidade ou inocência. As coisas que lhe validavam no mundo haviam sido roubadas pela brutalidade. Essa raiva toda represada faz com que a protagonista se torne uma espécie de justiceira anônima das ruas de Nova York. O policial Sean Mercer (Terrence Howard) investiga os casos sem saber que a jornalista a quem faz confissões é a criminosa que procura.

Na verdade, Valente é um filme de vingança, mas não como os a que estamos acostumados. A personagem de Jodie Foster, com sua história particular, representa um universo de pessoas cansadas de violência e ressentidas por terem sido roubadas de uma das coisas mais importantes na vida: tranquilidade. E aí vem o medo, dele a violência e completa-se o ciclo vicioso.

Imperdível.

11.12.07

Esse samba no escuro


Apesar de você amanhã há de ser outro dia.

A coisa tá feia nas internas, mas eu insisto.

9.12.07

Banal, mas dói

Ontem, ao dar a primeira mordida numa maçã, mordi também a língua. Hoje virou uma afta minúscula porém dolorosa.

Da série: minha vida não tem graça nenhuma.

7.12.07

The Very Old Police

E o que é o fiasco da Globo em torno do show da falida banda The Police no Brasil? Uma turnê daquelas tipo "reunião da velha guarda" com o agravante de não ter nada de especial. Não há iluminação arrojada, telões ou projeções e até o figurino nada mais é do que a roupa de faxina do Sting. O The Police teve meia dúzia de hits, fez um tipo de música descartável e sem graça, além de ter durado míseros 5 álbuns. Provavelmente a tv Globo tenha planos de passar o show, por isso tanta "cobertura" nos telejornais. A emissora recebeu da Argentina um vídeo do show em que a banda toca e canta SOS e o tem mostrado exaustivamente nos jornais. Será que só eu estou achando essa atenção toda um exagero?

4.12.07

He's Lost Control


Control[2007], é dos filmes mais bem fotografados que eu vi este ano. Não é de se espantar, pois foi dirigido por Anton Corbijn, o fotógrafo e designer holandês responsável pelo visual do Depeche Mode desde os anos 80 até hoje e que também dirigiu video clips de bandas como U2, Echo & the Bunnymen e Red Hot Chili Pepers. Filmado em preto-e-branco (especialidade de Corbijn), Control conta um pedaço da história de Ian Curtis, vocalista da banda Joy Division (o embrião pós-punk do New Order), que engloba o período que vai da sua adolescência até o fatídico 18 de maio de 1980. Retratado de uma forma completamente diferente do transloucado Ian de 24 Hour Party People (A Festa Nunca Termina, 2002), o personalgem ganha uma certa aura poética e misteriosa, já que o roteiro parece ter sido escrito guiado pelas letras de Curtis. Até pode ter sido, afinal de contas, Corbijn baseou-se na biografia escrita por Deborah Curtis, esposa de Ian, musa inspiradora de Love Will Tear Us Apart. Falando em trilha, além de Joy Division, há Iggy Pop, David Bowie, Roxy Music, o ator Sam Riley cantando com o New Order as músicas do Joy e nos créditos finais, um cover de Shadowplay pelo The Killers.

Para fãs da banda e pra qualquer um com vontade de ver um filme bonito.

1.12.07

Compilation



Eu gosto muito destas mocinhas. Uma versão definitiva de Walk On By, clássica do repertório de Dionne Warwick, aqui na voz de Gabrielle (sim, aquela da chatíssima Out Of Reach), Queen Latifah cantando I'm Not In Love e mais um monte de vozes negras de tirar o chapéu. Destaque especial para a nova de Alicia Keys, a hipnótica No One.

1. Gabrielle - Walk on By (3:21)
2. Randy Crawford - I've Never Be to Me (3:34)
3. Sade - Somebody Already Broke My Heart (4:54)
4. Ruthie Foster - 'cuz I'm Here (3:06)
5. Janet Jackson - Love Me [Just Blaze Remix] (4:04)
6. Angie Stone - Here We Go Again (3:32)
7. Alicia Keys - No One (4:15)
8. Joss Stone and Jonny Lang - When Love Comes To Town (8:45)
9. Queen Latifah - I'm Not In Love (4:47)
10. Jill Scott - One Is the Magic # (3:49)
11. Tweet - Sexual Healing (4:47)
12. Lauryn Hill - Sweetest Thing [Mahogany Mix] (4:37)
13. Nina Simone - Do I Move You? (2:23)