30.7.08

O tempo


"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê, já passaram-se 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho, a casca dourada e inútil das horas.

Desta forma, eu digo: Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo, a única falta que terá, será desse tempo que infelizmente não voltará mais."

Mário Quintana, nascido em Alegrete (RS), no dia 30 de julho de 1906.

17 comentários:

  1. Perfeito!
    Eu Amo Quintana! Tem sempre algo grande a dizer!


    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Ah, como amo Quintana...

    ResponderExcluir
  3. Marina8:21 AM

    É a mais pura verdade, e nem nos damos conta do que está acontecendo.

    ResponderExcluir
  4. Vou mostrar este poema aos meus filhos!!!!
    Quem sabe com eles dará tempo de aproveitar mais a vida?
    beijos .
    Regina(SP)

    ResponderExcluir
  5. Anônimo10:07 AM

    Ótimo!!!

    ResponderExcluir
  6. Thereza8:05 PM

    Lindo e verdadeiro

    ResponderExcluir
  7. Anônimo9:28 PM

    Ah! como ele tem razão, ele que nasceu em 1906, imaginem se vivesse nos dias de hoje que todo mundo fala da falta de tempo. É uma correria só...
    RFerraz

    ResponderExcluir
  8. Fernando2:03 PM

    Na mesma linha...
    Pasatiempo, de Mario Benedetti"

    "Cuando éramos niños
    los viejos tenían como treinta
    un charco era un océano
    la muerte lisa y llana
    no existía.

    Luego cuando muchachos
    los viejos eran gente de cuarenta
    un estanque era océano
    la muerte solamente
    una palabra.

    Ya cuando nos casamos
    los ancianos estaban en cincuenta
    un lago era un océano
    la muerte era la muerte
    de los otros.

    Ahora veteranos
    ya le dimos alcance a la verdad
    el océano es por fin el océano
    pero la muerte empieza a ser
    la nuestra.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo6:49 AM

    ....jovens, façam deste lindo chamado de Quintana uma lição bem aproveitada. O tempo passa e nós não percebemos, somente quando sentimos a dor da saudade é que aprendemos que não há como voltar ao começo, mas ainda temos tempo de aproveitar o restinho desta vida distribuindo paciência, amor,e o silêncio na hora certa.....

    ResponderExcluir
  10. Anônimo2:45 PM

    Eu gostaria de ser obedecido assim :

    Porque não para relógio
    Não me faça enloquecer
    Ela irá para sempre
    Breve o sol vai nascer

    Não vês só tenho esta noite
    Para viver este amor
    Teu badalar me recorda
    Que sentirei tanta dor

    ResponderExcluir
  11. jacira11:48 PM

    o tempo, implacável, não espera por ninguém...
    se não o acompanhamos, o que nos resta? senão o peso do tempo perdido nos ombros?...
    e como pesa....

    beijo!

    ResponderExcluir
  12. Anônimo12:12 PM

    moema
    a vitalidade não se mostra apenas na capacidade de persistir, mas na capacidade de saber viver.
    pois o tempo é implacavel não espera por ninguem ...

    ResponderExcluir
  13. Anônimo3:27 PM

    antes ouvia dizer que o tempo endurece a gente,
    que vai transformando aos poucos a mente, as palavras ,os sentimentos.
    a vida inteira passai achando que não.
    vieram os 20,30,40,50 anos e de fato foi dificil resistir às agressões do tempo.
    tempo que tentou mas não conseguiu acabar com o garoto,
    mesmo diante da certeza que conseguira vencer o velho!
    e de tudo sinto saudade
    por isso mesmo serei sempre feliz.
    abraços a todos..... fev/2009

    ResponderExcluir
  14. antes ouvia dizer com frequencia que o tempo endurece a gente, que vai transformando aos poucos sentimentos, palavras, atos, tudo no geral.
    a vida inteira passei achando que não.
    vieram os 20,30,40,50 anos e de fato foi dificil resistir às agressões do tempo.
    tempo que tentou mas não conseguiu acabar com o jovem, mesmo diante da certeza que conseguira vencer o velho.
    e de tudo sinto saudade, por isso mesmo serei sempre feliz!

    ResponderExcluir
  15. Jade Rocha2:26 PM

    O tempo é efêmero. Destrói sonhos, promessas, amores... Deixa saudades. Lembro-me dos meus 15, 20, 25, 30 anos , do amor que não correspondi e hoje (tempo presente)já não pode ser mais meu.
    Jade, fev./ 09

    ResponderExcluir
  16. helena10:05 PM

    Grande poeta, lindo o poema e muito verdadeiro.

    ResponderExcluir