1.10.08

Nomes aos bois


Eu tenho uma amiga que dá nomes e apelidos de gente às coisas. O laptop chama-se Borges, o Ford Ka é o "O Gordo" e a televisão tem um nome que eu agora esqueci. Um dia ela me ligou pedindo ajuda, dizendo que o "Borges estava bravo" e não queria mais escrever. Fui lá e conversei com o Borges, que me contou transtornado que ela havia apagado arquivos essenciais para o bom funcionamento dele. Claro, você entende aí que o computador não me disse nada, que na verdade eu cheguei lá e verifiquei que ela (ou alguém, não sei) resolveu apagar arquivos sem saber o que eram ou para que serviam, o que fez com que o sistema não conseguisse fazer a associação dos atalhos na área de trabalho com os programas e arquivos relacionados a alguns deles. Um dia eu encontrei com ela, cara de cansada, suada. "O gordo me deixou na mão, acreditas?" E eu perguntei quando tinha sido a última vez que ela tinha levado o gordo no médico pra fazer um check up e assim continuamos na brincadeira. Porque é realmente divertido brincar de humanizar as coisas. O que não me parece funcionar muito bem é quando fazemos um coisa quase inevitável: dar nome de gente a sentimentos. 

"Morro de saudades do Pedro. Nunca esqueci o Pedro. Sempre que eu me sinto só, eu penso no Pedro". Vamos traduzir, o Pedro é o nome do ex-namorado, o último (ou pelo menos o mais marcante) que fez o cidadão ou a cidadã em questão feliz, em casa, contente. Aí, sempre que a casa ameaça ruir, a criatura pensa que é o Pedro que está fazendo falta. Ela pensa que ninguém é igual ao Pedro, que nobody does it better, que o Pedro é que é o cara. Esquece que se terminou, algo havia de errado. Que o Pedro, a pessoa, não era bem o parceiro dos sonhos. Mas que o Pedro, o sentimento, ah este é imbatível, representa a última vez que você se sentiu protegido, querido, desejado, maior do que o mundo, do que as coisas fúteis e os dias longos e as noites frias. 

Então chega um momento em que você já não sabe mais fazer a distinção entre Pedro, a pessoa e o sentimento. E quando você sente aquele abandono brutal no domingo à tarde, acha que está morrendo de saudade do Pedro, mas na verdade queria mesmo era repetir a sensação que tinha quando vocês se abraçavam e era como se um anjo safado abrisse suas asas para te acolher do mundo que não consegue te entender e do qual você já desistiu. E você uma vez, pelo menos, fez sentindo do encontro com alguém, achou que valia a pena, que existe isso que alardeiam nos filmes, livros e canções, que felicidade não é uma palavra proibida no seu dicionário.

Só que este sentir-se maior e mais possível não precisa atender pelo nome de alguém específico. É injusto até com o pobre do Pedro, que já nem lembra mais que você existe e está tentando, do jeito dele, ser feliz e namorar e tocar a vida da forma que consegue. É mais injusto ainda com você que perpetua essa equação em que felicidade = o outro. E passa anos infeliz, sem saber que a felicidade muda de nome conforme você a experimenta, e se ontem foi Pedro ou Luíza, hoje pode ser Ana ou Roberto e amanhã pode ser Fernando ou Maria. E nenhuma dessas pessoas terá a chance de te conhecer e, de repente, te fazer feliz se você não se der conta de que está buscando reviver um momento que não mais existe. A Ana, o Roberto, o Fernando e a Maria agradecem. E o Pedro também. 

*A foto que ilustra o post é do filme A Janela da Frente (La Finestra di Fronte, 2003), do diretor turco Ferzan Ozpetek, o mesmo de Um Amor Quase Perfeito (Le Fate Ignoranti, 2001). Altamente recomendável para quem está pensando em amar de novo.

31 comentários:

  1. Oh, querido... tema de tantas das nossas conversas, né? E tu descreveste magistralmente. Amei.

    ResponderExcluir
  2. anderson1:11 PM

    ótimo texto. nem sempre é facil, mas eventualmente precisamos desopilar o coração...

    ResponderExcluir
  3. Simone Teixeira1:55 PM

    Oi! Frequentemente venho aqui ler seu blog, mas nunca comentei. Hoje achei que precisava ser diferente... Suas palavras traduziram exatamente o que eu descobri há pouquíssimo tempo (ainda bem!). Agora só falta meu coração entender e aceitar. Obrigada! Sinto-me presenteada com esse texto, mesmo ele não tendo sido escrito pra mim...

    Se quiser conhecer meu blog:
    simoneteixeira.wordpress.com
    Vou adorar te receber!

    um beijo,
    Simone

    ResponderExcluir
  4. Anônimo2:59 PM

    Noooossssa, foi meu anjo da guarda que me fez abrir Mme Mean hoje e ela me mandar para vc. Muito obrigada. Beijos, Mariana Borges.

    ResponderExcluir
  5. flordelis3:02 PM

    Oi, tudo bem? Vim pelo link da Ticcia e preciso comentar, porque, meu Deus, é isso, a ficha caiu, obrigada. Agora vou ter que ler todos os seus outros posts. Pensei que era só a Ticcia que entrava na cabeça da gente pra escrever. :-)

    ResponderExcluir
  6. "se terminou, havia algo de errado" é tão difícil lembrar desse pequeno detalhe. Maravilhoso o teu texto, Alex. Vou imprimir, pra lembrar sempre de separar os Pedros e colocá-los em seus devidos lugares.

    ResponderExcluir
  7. André Gonçalves4:44 PM

    Olá.
    Bom reencontrar seu blog.
    Grande abraço.

    André

    ResponderExcluir
  8. André Gonçalves4:44 PM

    Olá.
    Bom reencontrar seu blog.
    Grande abraço.

    André

    ResponderExcluir
  9. Cris Sampieri5:37 PM

    PERFEITO!
    É isso... simplesmente, "perfecto"!!!
    bjos

    ResponderExcluir
  10. Muito bom mesmo, na mosca. Não é sempre que a gente consegue dizer o que precisa com essa clareza e precisão.
    um abraço,
    clara lopez

    ResponderExcluir
  11. Muito bom mesmo, na mosca. Não é sempre que a gente consegue dizer o que precisa com essa clareza e precisão.
    um abraço,
    clara lopez

    ResponderExcluir
  12. Valéria8:23 PM

    Simplesmente perfeito.

    ResponderExcluir
  13. Eu estou tentando matar o Pedro "a porradas" já há algum tempo. Embora seja extremamente racional e tenha já racionalizado tim tim por tim tim essa coisa toda que você escreveu, Pedro parece ser como um joão teimoso.
    Um passo já dei, já me convenci que o que me faz falta é o sentimento e não o Pedro. O buzilis agora é dissociar os dois.
    Um dia talvez, eu consiga afogar o Pedro.

    ResponderExcluir
  14. Oh, pessoal... obrigado pela visita e que bom que gostaram do texto. É importante a gente saber dessas coisas racionalmente, mas entendam que isso tudo só vai fazer sentido quando a gente conseguir sentir que é assim, que é isso mesmo, que foi engano, linha cruzada, número errado.

    Mas é errando que se acerta. O importante é continuar tentando.

    ;-)

    ResponderExcluir
  15. Anônimo11:28 AM

    Legal! Precisei de três anos pra entender as coisas assim. Três. Afe. Lindo texto.

    ResponderExcluir
  16. poliana12:24 PM

    Simplesmente a tradução do que eu estou passando agora, achei que fosse só eu.... nesse mundo ....
    Poliana

    ResponderExcluir
  17. poliana12:24 PM

    Simplesmente a tradução do que eu estou passando agora, achei que fosse só eu.... nesse mundo ....
    Poliana

    ResponderExcluir
  18. Ah coisa mais linda de se ler. Eu tenho nostalgia da sensação de acreditar que só o primeiro namorado me trouxe; mas não é dele, sabe? É de acreditar mesmo.

    Bezzos, querido. Belo texto! Parabéns!

    ResponderExcluir
  19. Quando alguém descobrir como divorciar o Pedro do sentimento me avisa?! Agradecida!! hehehe PS: Parabéns, adorei seu texto!

    ResponderExcluir
  20. Andréia8:16 PM

    Que coisa mais linda. ADOREI. Como vc escreve bem. Vou voltar.
    Bj

    ResponderExcluir
  21. Descobri seu blog ontem e não parei de ler...
    Já tentei fazer outros posts e não consegui. Vamos ver se este vai.
    Li vááários posts do fricção. Tive que sair pra tomar um café e fumar um cigarro. Só tem um detalhe: eu não fumo!!
    Assumi o meu absurdo de hoje.

    ResponderExcluir
  22. Voce tem toda razão. Vou tentar ver os filmes...um abraço.

    ResponderExcluir
  23. Anônimo4:38 PM

    Muito lindo e limpido este escrever que é tao arquitetura quanto literatura. Um abraço, aliki

    ResponderExcluir
  24. Lindo o texto! "Roubei" lá para o meu blog (com os devidos créditos, é claro!)

    Um beijo,
    Maritza

    ResponderExcluir
  25. Eu sinto falta do "Pedro" sim, e bem nos domeingos a tarde, na maioria das vezes... aiaiai. O chapelão serviu.
    Me interessei pelos filmes, espero que sejam fáceis de achar...
    Amei o texto, e a galera também, haja visto o número de coments. Parabéns
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Sergipano6:03 AM

    Texto belo.

    ResponderExcluir
  27. Muito bom seu texto.

    ResponderExcluir
  28. alba de barcellos9:20 AM

    que texto é esse???? agora me peguei pensando em dar um nome para "texto" ... pq de repente fica tão distante falar: q texto lindo! mas, "texto" seria homem ou mulher? pq se eu fosse batizar meus textos eu os chamaria de "carolina" ... olha bem oq vc fez com a minha cabeça.... de qualquer forma...que "carolina " linda !!! bom domingo. ;)

    ResponderExcluir
  29. admiro sua capacidade de escrita e a coesão com escreve...parabéns.

    abraço

    rafael

    ResponderExcluir
  30. Oh, querido, te amo ontem, hoje e amanhã. Vou ler os posts todas as vezes que pensar no Pedro com saudade, aquele safado!

    ResponderExcluir
  31. Fiquei emocionada. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir