6.11.08

The L Word



O amor é um negócio estranho, bicho, diria Elis Regina. Para ela deveria ser ainda mais. Era pisciana de ascendente em câncer. Dizem na astrologia que são os dois signos que mais sofrem de dor de amor. Peixes porque romantiza tudo e esquece de avisar ao parceiro dos seus desejos sempre tão secretos e câncer porque gosta de sofrer, senão fica sem assunto. Elis cantava com a mesma intensidade com que vivia seus relacionamentos. Teve filhos talentosos e, na mistura de amor com trabalho, teve parceiros amorosos que eram também grandes produtores musicais. Morreu de que, mesmo? Ah sim, depressão, tristeza, falta de amor. Aos 36 anos.

Quanto a mim, o amor passou... Nas Cartas de Amor, de Fernando Pessoa, esta é a frase que mais me chama a atenção. O escrito segue, conversando com o amor cara a cara, pedindo que conservem alguma ínfima lembrança dos bons momentos de forma civilizada. Não me parece dirigido metaforicamente a alguém em especial, mas uma árida constatação de que o autor já teria vivido tudo que precisava viver em relação ao amor e já não guarda mais esperanças de arder qualquer chama ainda naquela existência.

What's love got to do with it? Perguntava Tina Turner no seu maior sucesso de 1984, também título da sua cinebiografia protagonizada pela sempre fantástica Angela Basset. O que tem o amor a ver com isso? A jovem Ana Mae Bullock conheceu Ike Turner aos 18 anos e ficou com ele até não aguentar mais apanhar em 1976, depois de uma sangrenta briga nos corredores de um luxuoso hotel em Dallas. Com o rosto inchado e ensopado de sangue, chegou na portaria do Ramada Inn mais próximo com 36 centavos na bolsa pedindo abrigo, depois de fugir do marido. Alguns anos depois, tornou-se a cantora que mais lotou estádios nos anos 80 e uma das celebridades mais queridas no meio musical. Mas ainda não descobriu a resposta para a própria pergunta.

Love is a losing game, ou no jogo do amor só se perde. Amy Winehouse não faz idéia de como soa verdadeira a sua interpretação da melhor canção do álbum Back to Black. Além de ser um complicado e interessante jogo de palavras, a letra consegue ser dolorida e envolvente ao mesmo tempo. E voltamos ao tema de sempre. Enquanto alguém se apaixona aqui, outra ali ao lado está com o coração em frangalhos. Uma sabe que o apaixonamento um dia acaba, a outra se agarra à certeza de que ele há de reaparecer em breve. Ou não. Pode demorar e, segundo nosso amigo Pessoa, pode nunca mais acontecer.

Parece triste.

*Foto do filme espanhol Azulescuroquasepreto um dos meus filmes favoritos daquele país.

10 comentários:

  1. Ewan: Love is a many splendored thing, love lifts us up where we belong, all you need is love.
    Nicole: Please, don't start that again.
    E: All you need is love.
    N: A girl has got to eat.
    E: All you need is love.
    N: Or she'll end up on the street.
    E: All you need is love.
    N: Love is just a game.

    ResponderExcluir
  2. Hum, estamos numa fase pessimista, hein? Acho fantástico o modo como você fala de amor nesse e nos posts que o precederam. Parece brigadeiro, impossível ler um texto só, de mods que já revirei seu blog do avesso. Do mesmo jeito que sou compulsiva por doces, tenho um fraco por essa coisa de amor e acho que a gente deve pensar que o sofrimento um dia passa e love, meu amigo, pode ser a many-splendored thing. Mas pode ser que amanhã eu mude de idéia.

    ResponderExcluir
  3. o que seria essa paixão, essa projeção de nos mesmos no ser escolhido....até quando durar essa paixão...M. Quintana, esse inunda meus pensamentos, após uma leitura dessa:
    "Eu, agora - que desfecho!
    Já nem penso mais em ti…
    Mas será que nunca deixo
    De lembrar que te esqueci?"

    ResponderExcluir
  4. A mim também parece triste. Deveras. ponto.

    ResponderExcluir
  5. A mim também parece triste. Deveras. ponto.

    ResponderExcluir
  6. ois!
    sempre venho aqui, nunca comento...
    mas diante deste post, impossível!
    inspirado e verdadeiro!

    abraço!

    ResponderExcluir
  7. Simples e verdadeiro, como tudo que é amor.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Benza deus, hein? Triste talvez, raso jamais. Este é o meu guri.

    ResponderExcluir
  9. Parece triste porque é verdadeiramente triste. O coração despedaçado vem sempre acompanhado de uma melancolia meio amarga, com um tantinho de doce. Ainda acredito no amor, apesar de tudo. Paixão passa, sim, mas o amor, acho que este pode durar, sim. Beijo.

    ResponderExcluir
  10. além de traduzir textos, vc tbm traduz sentimentos e estados de espírito como ninguém.

    ResponderExcluir