10.7.09

Escolhas, tortas e disciplina


Quem é de Porto Alegre sabe que uma das melhores confeitarias da cidade, a Max, tem uns bolos e tortas imbatíveis. São realmente simples, mas deliciosos. Outro dia eu estava esperando para ser atendido e na minha frente estava uma moça – de uns trinta e poucos anos, espremida nas roupas que pareciam ser de um número abaixo do seu e segurando impaciente um molho de chaves absurdamente lotado na mão direita e celular na outra – que fazia perguntas constantes à atendente, pois não sabia exatamente qual torta levar. Até que, para minha surpresa e da balconista, ela pediu desculpas, dizendo que não ia mais levar nada e foi em direção à saída.

Todos os dias a gente faz escolhas. É redundante falar nisso. Mas eu insisto em dizer e dizendo eu reforço mais para mim mesmo do que para fora. Lembro o tempo todo que, por muito tempo, as minhas escolhas mais relevantes foram feitas sem que eu sequer me desse conta de que estava escolhendo. Optar por um caminho em vez de outro na volta para casa, escolher a que entrevistas de emprego me submeter, quais amigos realmente me respeitam e querem bem, que relações amorosas levar adiante ou que atitudes tomar com membros da família.

A verdade é que mesmo a pessoa mais calculista e consciente está sujeita a escolher “errado”. A medida desse “errado”, claro, é o tanto de felicidade e frutos que nos trazem as consequências da escolha. Eu já cheguei a pensar que refletir demais sobre o ato diário de escolher tirava a espontaneidade da vida. Quantas vezes você já não se deparou com a escolha entre o que parece certo de acordo com estatísticas calculadas e o que a sua vontade lhe manda fazer?

Eu poderia comer esse bolo de chocolate reluzente com recheio de doce de leite e nozes picadas, polvilhado de canela – que é meu desejo imediato – ou parar por um segundo e refletir se eu realmente posso bancar essas calorias ou se não me faria mal em longo prazo. O primeiro impulso às vezes é achar que, comendo o doce, estaríamos deflagrando um processo de autodestruição irrevogável, que essa indulgência é demais para nós, que o mundo é feito dos disciplinados. A frase preferida de quem pensa assim é “depois de passada a vontade, a gente percebe que fez a escolha certa”.

disciplina
Substantivo feminino
(...)

5. Derivação: por extensão de sentido.
obediência a regras de cunho interior; firmeza, constância


Ex.: para vencer na vida é preciso disciplina.


6 Diacronismo: antigo.
castigo, penitência, mortificação
Fonte: Dicionário Houaiss


Ora, depois de passada a vontade, o que me resta é amarga frustração de não ter obedecido ao meu desejo. Não é uma questão de merecer ou não, de poder ou não poder, de engordar ou emagrecer, é muito mais do que isso: é sentir. E se eu preciso olhar atentamente alguma coisa, não é o momento da escolha, mas sim observar com muita atenção o meu sentir, que vem bem antes do ato de optar. Eu não me torno um sujeito mais disciplinado por não comer o bolo. Na realidade, disciplinado mesmo é aquele que consegue definir o tamanho certo da fatia que lhe saciará o desejo e não lhe fará mal.

Não acho que a moça da confeitaria tenha superado sua tentação. Acho que ela conseguiu fugir dela, ainda que momentaneamente. Só que enquanto ela ficar obcecada em fazer as escolhas que os outros lhe profetizaram serem as corretas, vai continuar não enxergando que seus impulsos estão ligados a sentimentos mais profundos do que a banalidade prática de dizer sim ou não a uma torta de limão. É estabelecendo essa comunicação entre o sentir e o pensar que ela vai conseguir entrar na confeitaria, pedir seu doce predileto, sabendo a quantidade certa para ela, ciente das consequências e prazeres de saborear uma boa fatia de bolo.

*Na foto, Robin Williams e Bobby Cannavale, em Segredos da Noite (The Night Listner, 2006). Sobre um homem que não sabe que escolhas fazer.

5 comentários:

  1. todos os dias fazemos escolhas o que vestir oque falar oq fazer, a moça optou for fugir dessa tentação como mesmo mencionou mais dessavez e da proxima fugimos hoje nos entregamos amanha.. eh dificil saber manter a diciplina de si mesmo e um desafio!

    beijos bom fds!!

    ResponderExcluir
  2. Novidade: concordo com tudo. rs
    Acredito que a gente nunca sabe com certeza qual é a escolha certa. Prefiro "sentir", como você falou e pronto. Qualquer escolha vai me levar pra algum caminho, seja ele qual for, e eu vou.
    Mas raramente me privo de pequenas alegrias por conta de uma consequencia que só vai aparecer daqui há trinta anos. Prefiro viver o presente, por mais que talvez doa no futuro. :P

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Bonito. Eu gosto quando você escreve. Gosto das dicas de cinema, compilações e tudo mais. Mas gosto mesmo quando você escreve.

    Lili

    ResponderExcluir