28.1.10

A linguagem precisa ser precisa, não precisa?

Nós que escrevemos em blog, formulários, processos, contestações, redações, relatórios, artigos científicos, jornalísticos, publicitários. Nós que desejamos expressar nossa opinião, nossos achados e pesquisas, nossos sentimentos e crenças, no fantástico, na pessoa ou no produto. Nós que optamos ou somos obrigados a utilizar a linguagem escrita, para a finalidade que seja, estamos perdendo o fio da meada, estamos nos tornando bobos e medíocres. Estamos escrevendo cada vez pior e dizendo cada vez menos o que desejamos dizer. Estamos o tempo todo tentando enganar o leitor, no desejo vulgar de aparentar mais esperteza e desenvoltura do que realmente temos. Nosso vocabulário anda confuso e nossas orações, desorganizadas. Onde estão as pequenas e eficientes frases curtas que dizem apenas aquilo que querem dizer? Por onde anda a ojeriza que tínhamos pelos clichês e o carinho que alimentávamos pela objetividade? O que houve com a equação sujeito + predicado + objeto? E a premissa de que o verbo deve concordar com o sujeito? Acho que estamos lendo pouco, e esse pouco que lemos é de má qualidade.

Então, que tal fazermos uma experiência? Vamos escrever de forma prática e econômica, preocupados apenas com o que desejamos comunicar? Certamente nosso texto será mais curto, mas não nos apavoremos – menos é mais.

18.1.10

Fé cega, faca amolada



Esta animação espertíssima é parte do documentário Como Diz a Bíblia (For The Bible Tells Me So, 2007), que examina a condenação religiosa da homossexualidade nos Estados Unidos. O diretor Daniel G. Karslake opta por uma abordagem construtiva, mostrando exemplos de homossexuais crescidos em famílias extremamente religiosas e que, de certa forma, conseguiram conquistar o respeito de seus familiares. Declarações de especialistas do calibre de Desmond Tutu, contextualizam alguns trechos da bíblia utilizados frequentemente pelos fanáticos para disseminar mensagens de ódio e preconceito.

Uma das mais graves constatações que se tem depois de assistir ao filme é a de que a direita radical religiosa é um dos movimentos mais perigosos da história. Pessoas são assassinadas em seu nome, com a benção de líderes irresponsáveis que fazem questão de plantar e fazer crescer o ódio e a intolerância, com suas noções confusas de pecado e punição.

2.1.10

Goodnight, Lovers


Dave Gahan e Martin L. Gore em momento singular da turnê Touring the Angel, em Milão. Uma das minhas faixas favoritas de Exciter.